Saiba mais sobre a regeneração do filtro de partículas do carro

Saiba como fazer a regeneração do filtro de partículas do carro (FAP).

O filtro de partículas é um dispositivo que está instalado no sistema de escape dos automóveis, a sua função é reter as partículas diesel e outras que possam provocar danos ao meio ambiente. O filtro de partículas pode remover cerca de 80% das partículas do escape, o que permite reduzir as emissões poluentes. No entanto, é importante saber como fazer a regeneração do filtro de partículas.
A introdução do filtro resultou de uma imposição da norma europeia Euro 5, que obrigou os fabricantes de automóveis a instalarem um filtro de partículas no sistema de gases de escape em veículos com motor a diesel produzidos a partir de 2009. 
O filtro de partículas retém as partículas de fuligem numa rede no interior do dispositivo. Tal como acontece com qualquer outro tipo de filtros, é necessário efectuar uma limpeza com regularidade para manter o seu desempenho. A este processo de limpeza do filtro de partículas chama-se regeneração.

COMO FAZER A REGENERAÇÃO DO FILTRO DE PARTÍCULAS

É importante que se perceba que existem dois tipos de regeneração do filtro de partículas: passiva e activa. Por norma, esta regeneração é uma combinação de temperatura do motor, da velocidade a que o carro se desloca e ainda das rotações.

Regeneração passiva

A regeneração passiva do filtro de partículas acontece nas autoestradas, pois é quando a temperatura do cano de escape é mais elevada. Os fabricantes de automóveis optam pela regeneração activa porque a maior parte dos condutores não costuma conduzir durante muito tempo a velocidades elevadas. Para que aconteça a regeneração passiva, os fabricantes utilizam um aditivo.

Regeneração activa

A regeneração activa acontece quando a capacidade de carga de fuligem no filtro atinge um limite definido (cerca de 45%). O veículo faz com que aumente a injecção de combustível na combustão e sobe a temperatura dos gases de escape no filtro de partículas, resultando na regeneração activa e queimando a fuligem.
Se o processo estiver a meio quando o condutor pára o carro, provavelmente, vai acender a luz de aviso do filtro de partículas, avisando que filtro está parcialmente bloqueado. Para completar um ciclo de regeneração e a luz apagar basta conduzir aproximadamente 10 minutos, a uma velocidade igual ou superior a 70km/h e com as rotações acima das 2500 rpm.

Sinais da regeneração ativa

  • Ventiladores de arrefecimento estão em funcionamento;
  • A velocidade do relantim aumenta;
  • O sistema Start/Stop desliga-se automaticamente;
  • O consumo de combustível pode aumentar;
  • O escape pode deitar um cheiro estranho;
  • O ruído do motor pode ser diferente do habitual.

Situações que podem impedir a regeneração do filtro de partículas

  • Pouco combustível no veículo impede que a regeneração activa aconteça. 
  • Viagens demasiado curtas que não permitem ao motor atingir a temperatura normal de funcionamento;
  • Alguns carros com filtro de partículas exigem óleo de baixo teor de cinzas e enxofre, por isso é importante ter o óleo correto;
  • Problemas com a admissão, combustível ou sistema de circulação de gases de escape podem causar uma combustão incompleta que vai aumentar a carga de fuligem;
  • Por norma, é necessário 1⁄4 depósito de combustível;
  • O depósito do aditivo deve estar cheio no nível indicado.

10 dicas para o seu jardim em Outubro

Dicas para o seu jardim

Cobertura de legumes : Se quiser continuar a colher vegetais folhosos, como repolho chinês, endívias e alface de cordeiro, mesmo com gelo, cubra-os com velo protetor de vegetais antes da primeira geada. Você também pode usar o mesmo método simples para cobrir o alho-poró, permitindo a colheita por mais tempo.
Colher batatas : a folhagem das suas plantas de batata desapareceu, então agora é hora de desenterrar os tubérculos e guardá-los para o inverno. A maneira mais fácil de fazer isso é usar um garfo de jardim, mas evite danificar o maior número possível, na medida em que eles não possam ser usados. A melhor maneira de fazer isso é arrancar as batatas e espalhá-las para secar. Em seguida, coloque-os em sacos de malha e guarde-os em algum lugar fresco e seco. Uma opção seria armazená-los em prateleiras de batatas. Dica: vale a pena escolher as mini batatas com apenas três ou quatro centímetros de tamanho. Lave-as, prepare-as da mesma forma que as batatas com casca e, depois de descascadas, frite-as inteiras em manteiga ou banha de porco até ficarem crocantes. Você também pode adicionar bacon e cebola. Definitivamente, este prato vale a pena e é um tratamento especial de outono.
Camada de adubo : os montes de adubo estão cheios a ponto de transbordar em Outubro, mas prestar-lhes um pouco de atenção antes de preenchê-los ajudará o adubo a apodrecer melhor. Idealmente, você deve cortar grandes pedaços de detritos de plantas, bem como folhagens. A arte de melhorar a compostagem se resume às camadas: alterne uma camada de resíduos húmidos com cerca de 10 cm de espessura (como cascas de frutas, resíduos de cozinha e relva cortada) por uma camada equivalente de resíduos secos (como podas de arbustos) galhos e folhagem ) e repita. As camadas secas muito grossas demoram muito a apodrecer, enquanto as camadas húmidas muito grossas decompõem-se e irá cheirar mal.
Cortar ervas : Deixe os membros herbáceos das ervas perenes da cozinha - como hortelã, azeda francesa ou erva-pimenta - para peder a cor o máximo possível, depois corte as folhas murchas de volta a cerca de dois dedos acima do solo. Plantas que semeiam prontamente, como erva-cidreira, podem ser cortadas antes de plantar.
Preparação de contentores para o inverno : Todos os contentores que não sejam resistentes ou levemente resistentes ao gelo devem ser transferidos para seus aposentos de inverno em tempo hábil. Vai precisar de usar os seus instintos aqui, pois a regra de ouro para as plantas de contentores no inverno é movê-las para dentro de casa o mais tarde possível e voltar para o exterior o mais cedo possível.
Varrer folhas : Embora a colecta de folhas possa ser um incómodo, elas também são uma matéria-prima valiosa. Elas podem ser colocadas em camadas para compostagem em recipientes especialmente projectados para esse fim - recipientes que também podem servir como um local para os ouriços passarem o inverno se você colocar as folhas em cima de uma pequena pilha de galhos.
Colheita de frutas : Maçãs, pêras, marmelos, as últimas framboesas do outono, variedades tardias de ameixa, kiwi e caqui devem agora ser colhidas. Com as nêsperas, você deve esperar até que a fruta se torne pastosa e deixar os abrunhos até que as primeiras geadas cheguem. Importante: Após a colheita, remova todos os frutos danificados que restarem na árvore; por exemplo, o que chamamos de frutas mumificadas. Você também deve colher as frutas caídas, separá-las para ver se podem ser usadas e depois descartar as que não puderem.
Desmontar a treliça : as plantas trepadeiras anuais em treliça - como a videira de chávena e pires, flor de glória chilena, glória da manhã, ervilhas, feijão verde, videiras roxas ou a Maragarida-amarela agora devem ser removidas. Limpe a treliça e a parede atrás dela, corte os recortes em pedaços que tenham a largura da sua mão e depois leve-os para compostagem. O mesmo se aplica aos lúpulos nos seus suportes, que já foram revistos.
Fertilizar a relva : para garantir que a sua relva sobreviva ao inverno em melhores condições e seja capaz de começar bem o crescimento novamente na primavera, dê uma dose final de fertilizante especial para relva no outono no início de outubro, seguindo as instruções do fabricante para uso. Certifique-se de usar um fertilizante para o outono, pois este é o único que possui formulações de nitrogénio que a relva pode manusear durante o inverno. Um fertilizante completo, como os usados ​​no verão, não é adequado no momento.
Preparando fúcsia resistente ao inverno : proteja arbustos e semi-arbustos sensíveis ao gelo (como fúcsia resistente) com uma camada de folhas com cerca de 30 centímetros de espessura para vê-las durante o inverno. Impeça essa camada de rebentar, colocando-a com um anel de arame de galinha que tem a mesma altura. Basta colocá-lo sobre a planta que você deseja proteger e sua zona radicular e ancorá-lo firmemente ao chão contra o vento.




Sabia que pode limpar em vez de substituir o filtro de partículas?


Resultado de imagem para crc particulate filter
O filtro mais caro que o automóvel tem é o único no qual não se faz qualquer tipo de intervenção de oficina. Resultado: reparações ou substituições caras, que podem ser evitadas através da manutenção e da limpeza preventiva.

Filtro de óleo, de combustível, de ar ou de habitáculo. Todos eles fazem parte de uma manutenção normal. Mas qual é o filtro mais caro que o carro tem? O filtro de partículas ou DPF. É possível fazer um plano de manutenção para prevenir problemas com o filtro de partículas, que podem levar a reparações onerosas. Tudo de forma simples e eficaz.
Os filtros de partículas fazem parte da evolução do automóvel e vieram ajudar a baixar as emissões poluentes libertadas para a atmosfera. E se são hoje “obrigatórios” nos carros Diesel, também os veículos movidos a gasolina estão a começar a adotar este componente. Como qualquer outra peça do automóvel precisa de manutenção e há marcas que têm ofertas completas e integradas para tal.

Cidade: a maior inimiga do filtro de partículas

Quando o filtro de partículas atinge o seu grau máximo de enchimento, a ECU (unidade de controlo eletrónico) inicia automaticamente o programa de regeneração do filtro: mais gasóleo é injetado e os gases de escape fazem com que a temperatura aumente para permitir que as partículas sejam queimadas. Mas, quando os veículos com motor Diesel são usados sobretudo em viagens de curta distâncias o filtro de partículas dificilmente atinge a temperatura suficiente para queimar as partículas de fuligem acumuladas. Resultado: fica obstruído.

SOLUÇÕES
– Manutenção simples e eficaz
A forma mais simples, económica e fácil de fazer a manutenção de um filtro de partículas é através da utilização de um aditivo preventivo testado especificamente para este efeito. O aditivo de limpeza do filtro de partículas garante uma combustão ótima, evita a formação de fuligem e protege o filtro de partículas Diesel. O aditivo serve ainda para ajudar a uma regeneração eficaz dos sistemas DPF, aumentando a temperatura de forma química para que a regeneração tenha lugar mesmo em percursos citadinos. Este aditivo é especialmente eficaz em veículos que fazem percursos urbanos. A aplicação regular mantém o filtro de partículas limpo, minimizando os custos de manutenção e os tempos de paragem. Basta juntar o conteúdo de uma lata ao depósito de combustível quando este estiver entre meio e ¾ da sua capacidade e repetir esta operação a cada 2000 a 3000 km, consoante o tipo de percurso feito.
– E quando já está entupido?
São várias as soluções disponíveis no mercado, sendo que a CRC tem, por sí só, várias. Este processo que, no total, dura pouco mais de uma hora, não obriga a desmontar o filtro de partículas nem a imobilizações do veículo. Por um valor de menos de 1/10 do preço de uma substituição de um filtro de partículas, é possível limpar em vez de substituir. Este processo tem que ser feito numa oficina, uma vez que são produtos muito técnicos apenas vendidos a profissionais.
Processo de limpeza:
– Usa-se uma pistola específica desenvolvida com a sonda pulverizadora que melhor se adequar ao modelo de veículo específico.
– Através do sensor de temperatura do filtro de partículas pulveriza-se o produto de limpeza do filtro de partículas (1 litro). O produto dissolve a sujidade no interior dos filtros de partículas.
– Depois de aguardar 20 minutos aplica-se o líquido de lavagem do filtro de partículas (500 ml) com a pistola específica. A fuligem dissolve-se e espalha-se no filtro de partículas diesel, podendo assim ser queimada através de um processo de regeneração normal.
– No final, o carro deve fazer um percurso de estrada entre 20 a 30 minutos a uma velocidade e rotações constante para que se faça a regeneração. Pode também ser forçada através de um equipamento de diagnóstico.
Esta operação de limpeza deve ser usada de forma preventiva e não apenas corretiva. Para isso, deve ser feito o diagnóstico sempre que o carro faça a sua manutenção normal na oficina, onde será possível ver o nível de obstrução e resolver facilmente o problema. Desta forma, o filtro nunca chega a ficar bloqueado por completo o que, em muitos casos, obriga mesmo à sua substituição, numa operação que pode custar, em média, 1500 euros.
E atenção que desativar ou remover o filtro de partículas é uma operação ilegal e prejudicial para o ambiente.

Abate de carros: o que precisa de saber

O processo de abate de carros é relativamente simples. Saiba o que fazer para garantir a correta destruição daquele veículo que já só ocupa espaço na sua garagem.



Saiba como garantir a legalidade da operação


No final de 2016, o Governo terminou com o incentivo ao abate de carros em fim de vida e foi substituído por uma medida que incentiva a compra de veículos eléctricos. “No âmbito das medidas tendentes à redução de emissões de gases com efeito estufa, é mantido o incentivo à introdução no consumo de veículos de baixas emissões”, pode ler-se no documento oficial do Orçamento do Estado para 2018.
Na prática, ao longo deste ano, quem quiser comprar um veículo eléctrico receberá do Estado um cheque no valor de 2250€. Este incentivo é suportado pelo Fundo Ambiental e tem um custo máximo de 2,3 milhões de euros. O objetivo do Estado é, também, dotar o parque automóvel estatal com 1200 veículos elétricos até 2019 e instalar mais 250 postos de carregamento ao longo deste ano.

Abate de carros: quais os documentos necessários


O incentivo ao abate de Veículos em Fim de Vida (VFV) terminou, mas poderá recorrer aos centros especializados para garantir que o seu automóvel é desmantelado de forma segura e legal.
Assim que se dirige a um centro de desmantelamento autorizado deverá entregar os seguintes documentos:
  • Documento de identificação do veículo (DUA);
  • Registo de Propriedade;
  • Fotocópia do Cartão de Cidadão do proprietário do veículo;
  • Requerimento de anulação da matrícula assinado pelo proprietário.

Abate de carros: como é feito o processo?

Assim que entrega o seu veículo num centro especializado é efetuada uma verificação do carro e de toda a documentação necessária para o cancelamento da matrícula.
Feita a respetiva validação, é emitido o certificado de destruição que servirá de suporte legal para a anulação da matrícula da carro. A viatura é, de seguida, enviada para “reciclagem”: é submetida a respetiva referenciação e codificação interna. O carro passa pelo processo de descontaminação (para eliminar materiais perigosos ou tóxicos), é desmantelado (para que sejam retirados os componentes ou as peças que serão reutilizadas) e a carcaça é reciclada.
No processo de despoluição são feitos os seguintes procedimentos:
  • Remoção dos filtros de óleo, baterias e dos depósitos de gás de petróleo liquefeito (GPL);
  • Neutralização do airbag e dos pré-tensores dos cintos de segurança;
  • Remoção do combustível (gasolina ou gasóleo);
  • Remoção do óleo lubrificante da caixa da velocidade e do motor, do óleo dos sistemas hidráulicos, do fluído dos travões, do líquido de arrefecimento e do fluído do sistema de ar condicionado;
  • Remoção dos componentes com mercúrio e outros que estejam identificados nos termos do DL 196/2003.
No processo de desmantelamento é feito o seguinte trabalho:
  • Remoção de catalisadores, pneus e vidros;
  • Remoção dos grandes componentes de plástico e de componentes suscetíveis de reutilização (peças em segunda mão).
Conheça os sintomas de embraiagem queimada. O problema pode ser sério, por isso é melhor estar atento e resolvê-lo o quanto antes.
A embraiagem de um automóvel é responsável pela conexão do motor à caixa de velocidades mas é também uma das peças de maior desgaste ao longo da vida do veículo. Como tal, a seu tempo acabará por ser substituída, o que normalmente acontece entre os 120.000 km e os 180.000 km. Conheça aqui alguns dos sintomas de embraiagem queimada.

SINTOMAS DE EMBRAIAGEM QUEIMADA




1. PEDAL RÍGIDO E DIFICULDADE EM TROCAR DE MUDANÇA

Se em andamento sentir o pedal da embraiagem mais rígido do que o habitual, isso poderá querer dizer que a mesma está danificada. Outro dos sintomas de embraiagem queimada é quando troca de mudança e sente alguma resistência. Por norma, este sintoma acontece quando se troca a primeira ou a marcha atrás.

2. EMBRAIAGEM FAZ RUÍDOS OU PATINA

Quando a embraiagem começa a fazer ruídos ou a patinar numa subida, o que retira força à viatura, isso significa que tem a embraiagem queimada ou desgastada. É também nesta altura que surge um cheiro a amianto queimado proveniente do disco da embraiagem, que se sente dentro e fora do veículo.

3. CARRO A TREMER

Conforme se aumenta de velocidade, o carro treme. Isto pode significar que o prato ou o disco de embraiagem está desgastado ou queimado.

4. ROTAÇÕES ALTAS

Se está a conduzir a uma velocidade fixa e começa a reparar que as rotações do motor estão demasiado elevadas, está perante mais um dos sintomas de embraiagem queimada.

SAIBA COMO PROLONGAR A VIDA ÚTIL DA EMBRAIAGEM

A embraiagem é um dos componentes mais importantes na mecânica de um automóvel com caixa de velocidades manual. No entanto, esta é também uma das peças que mais se desgasta, uma vez que o condutor está constantemente a utilizá-la. Para que a vida útil da embraiagem seja prolongada pode optar por adotar um estilo de condução correto.
Alguns condutores recorrem ao uso de mudanças mais altas – como a 5ª ou 6ª mudança – mesmo quando circulam a velocidade baixa e ainda adotam reduções bruscas de velocidade. Este tipo de condução deve ser evitado pois pode levar a uma embraiagem queimada ou a um desgaste ainda mais rápido.
Outro hábito negativo que deve evitar é conduzir com o pé em cima do pedal da embraiagem, pois pressiona as molas e o disco não fica ligado de forma correta com o volante do motor. Esta situação pode levar a um aquecimento do disco bem como à perda de eficiência. Por último, deve aprender a dominar o ponto de embraiagem numa subida, podendo para tal recorrer à utilização do travão de mão.